HomeDicasMarketplaces ou loja própria: Qual é a melhor opção em 2023?

Marketplaces ou loja própria: Qual é a melhor opção em 2023?

Escolher o melhor canal de vendas é uma decisão que pode definir o sucesso ou fracasso de um negócio. Se você já se sentiu perdido entre a vastidão dos marketplaces e a ideia de criar sua própria loja online, não está sozinho.

Muitos empreendedores se deparam com essa encruzilhada, buscando a melhor forma de alcançar seus clientes e maximizar lucros. Mas, qual é a melhor opção? Cada escolha tem seus prós e contras, e entender essas nuances é fundamental.

Continue lendo e descubra os pontos cruciais para tomar uma decisão informada e alinhada com seus objetivos. Vamos juntos nessa jornada?

1. Visibilidade e tráfego

Marketplaces, como Amazon, Mercado Livre e OLX, são gigantes no mundo digital. Ao listar produtos nesses espaços, os vendedores se beneficiam de um tráfego já estabelecido e de uma base de clientes em potencial.

Por outro lado, uma loja própria pode demorar mais para ganhar tração, exigindo estratégias de marketing e SEO mais robustas.

No entanto, a visibilidade em marketplaces pode ser uma faca de dois gumes. A competição é intensa, e seu produto pode ser apenas mais um entre milhares.

Em uma loja própria, você tem controle total sobre a apresentação e destaque dos seus produtos.

2. Personalização da marca

Uma loja própria oferece liberdade total para personalizar a experiência do cliente. Desde o design do site até a jornada de compra, tudo pode ser moldado de acordo com a identidade da marca. Isso fortalece o reconhecimento e a lealdade do cliente.

Em contrapartida, nos marketplaces, essa personalização é limitada. O vendedor precisa se adaptar às regras e formatos da plataforma, o que pode diluir a identidade da marca e tornar a experiência menos exclusiva.

3. Taxas e comissões

Marketplaces-ou-loja-própria
Marketplaces-ou-loja-própria

Marketplaces geralmente cobram taxas sobre as vendas. Estas podem variar, mas muitas vezes representam uma fatia significativa do lucro.

Para muitos, essa é a troca justa pela visibilidade e pelo acesso a uma ampla base de clientes.

Já uma loja própria tem custos iniciais, como hospedagem e design, mas, a longo prazo, pode ser mais econômica. Sem comissões sobre cada venda, o empreendedor tem um controle financeiro mais direto.

4. Controle de dados do cliente

Em sua loja, você tem acesso direto aos dados dos clientes, o que é crucial para estratégias de marketing direcionado.

Isso permite criar campanhas mais eficazes e entender melhor o comportamento do consumidor.

Nos marketplaces, esse acesso é limitado. Muitas plataformas retêm informações valiosas, dificultando a construção de um relacionamento direto com o cliente e a personalização de ofertas.

5. Suporte e atendimento

Muitos marketplaces oferecem suporte ao vendedor, ajudando em questões logísticas e de atendimento ao cliente. Para empreendedores iniciantes, isso pode ser uma mão na roda, reduzindo a carga operacional.

Por outro lado, em uma loja própria, o empreendedor é responsável por todo o atendimento. Isso pode ser desafiador, mas também oferece a oportunidade de estabelecer um relacionamento mais próximo e personalizado com o cliente.

6. Concorrência e comparação

Nos marketplaces, o cliente pode facilmente comparar seu produto com o de outros vendedores. Isso pode levar a uma guerra de preços, reduzindo margens de lucro.

A visibilidade, nesse caso, pode ser contraproducente.

Em uma loja própria, o cliente está mais imerso no universo da marca. Sem distrações e comparações diretas, há uma maior chance de fidelização e de vendas a preços mais justos.

7. Flexibilidade e escalabilidade

Lojas próprias são altamente escaláveis. Conforme o negócio cresce, é possível expandir, integrar novas ferramentas e adaptar-se às demandas.

A flexibilidade é um grande trunfo para quem tem visão de longo prazo. Já nos marketplaces, o vendedor está à mercê das regras da plataforma.

Mudanças inesperadas ou restrições podem afetar o negócio. A escalabilidade, nesse contexto, pode ser mais desafiadora e menos previsível.

8. Integração com outras ferramentas

Em uma loja própria, a integração com ferramentas externas, como sistemas de gestão, CRMs e plataformas de marketing, é mais fluida.

Isso permite uma operação mais coesa, com dados centralizados e estratégias de venda mais alinhadas. A autonomia para escolher as melhores ferramentas e adaptá-las ao negócio é um diferencial.

Por outro lado, marketplaces podem ter limitações quanto a integrações. Muitas vezes, os vendedores precisam se adaptar às ferramentas disponíveis na plataforma, o que pode não ser ideal para todos os modelos de negócio.

9. Dependência e diversificação

Apostar exclusivamente em marketplaces pode ser arriscado. Mudanças nas políticas da plataforma, aumento de taxas ou até mesmo suspensões inesperadas podem afetar drasticamente as vendas.

Diversificar é essencial, e depender de uma única fonte de receita pode ser vulnerável. Com uma loja própria, o empreendedor tem um canal de vendas direto e independente.

Mesmo que opte por atuar em marketplaces, ter uma loja própria serve como um “porto seguro”, garantindo uma fonte de receita estável e reduzindo riscos.

Eduarda Silva
Eduarda Silva
Uma jovem de 22 anos apaixonada por assuntos relacionados a marketing digital e empreendedorismo online.

O QUE VOCÊ ACHOU DESTE TEXTO?

Por favor insira seu comentário!
Por favor, coloque seu nome aqui
Captcha verification failed!
CAPTCHA user score failed. Please contact us!

ad

Últimos artigos

Veja mais