Facebook pretende lançar ferramenta com “boletins informativos”

O Facebook pode em breve oferecer uma ferramenta de boletim informativo para criadores de conteúdo independentes. De acordo com o The New York Times, o gigante da mídia social poderia ajudar os profissionais a construir listas de e-mail e seguidores no Facebook, bem como facilitar a conquista de assinaturas pagas.

Isso ocorre quando uma série de jornalistas relevantes abandonam as publicações convencionais para começar publicações independentes no Substack, uma plataforma que oferece suporte a emails gratuitos e pagos.

Mas também pode ajudar o Facebook a se estabelecer como uma fonte mais legítima de notícias, observa o Times. A rede social está envolvida em uma luta contra a desinformação, removendo conteúdo questionável a torto e a direito e reprimindo postagens falsas de políticos, incluindo conteúdo ligado e até postado pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O Facebook lançou um hub de notícias dedicado em outubro de 2019, apresentando histórias de editoras conhecidas, mas não é páreo para págnas focadas em despertar seguidores com postagens duvidosas. O rival Twitter está de olho em uma oferta semelhante; ele adquiriu plataforma Revue esta semana.

Resta saber se os produtores de conteúdo querem se associar ao Facebook em algum tipo de empreendimento noticioso. O grupo tentou o Instant Articles, que apresentou uma versão de carregamento rápido de histórias no aplicativo móvel do Facebook, mas a reação da audiência foi mínima.

Além disso, se descobriu que a rede social está aumentando os dados de exibição de vídeo. O gigante da internet ainda não confirmou seus planos. Campbell Brown, vice-presidente de parcerias globais de notícias do Facebook, disse ao Times que a empresa está “construindo novas ferramentas para complementar o que os jornalistas já consideram úteis”.

Facebook muda diretrizes para combater fake news

O Facebook planeja parar de recomendar que os usuários se juntem a grupos políticos e cívicos a “longo prazo”. A empresa já deixou de recomendar os grupos aos usuários durante a corrida presidencial de 2020 dos Estados Unidos.

Facebook pretende lançar ferramenta com “boletins informativos”
Foto: Agencia Brasil

Recentemente, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, indicou que a mudança se tornará permanente. “Agora pretendemos manter os grupos cívicos e políticos fora de recomendações para o longo prazo, e pretendemos estender essa política globalmente”, disse ele.

Além disso, a empresa planeja reduzir “a quantidade de conteúdo político” que aparece no feed de notícias do Facebook. É uma mudança que a rede social mencionou antes na tentativa de priorizar o conteúdo de “amigos e familiares”.

“Um dos principais comentários que estamos ouvindo de nossa comunidade agora é que as pessoas não querem que a política e a luta se apropriem de sua experiência em nossos serviços”, disse ele. “Portanto, um dos temas deste ano é que continuaremos a nos concentrar em ajudar milhões de pessoas a participarem de comunidades saudáveis”, finalizou.

O que você achou deste artigo?